domingo, 28 de outubro de 2012

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Dt 4:9

DGMC3

E AS VIÚVAS?


"...ajudar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações" (Tg 1:27).
Há duas classes de pessoas que a Bíblia recomenda que sejam cuidadas pela Igreja: os órfãos e as viúvas (Tg 1:27). Conheço dezenas de ministérios que cuidam de órfãos. Admiro aqueles que gastam tempo e dinheiro para acolher estes que perderam seu arrimo. Ao redor do mundo, milhares de instituições – quer religiosas, civis, governamentais ou grupos espontâneos de amigos ou vizinhos – organizam-se em creches, orfanatos, missões, escolas, abrigos, e um sem-número de propostas de soluções para acolher crianças indefesas diante da vida.
Entretanto, tenho encontrado pouco, ou quase nada, no que diz respeito ao cuidado das viúvas. Conheço todo o fundamento bíblico quanto ao assunto. Sei tudo quanto o Novo Testamento, especialmente a literatura paulina, ensina quanto às regras e cuidados que devemos tomar. Mas o que de prático, na verdade, estamos fazendo para cuidar daquela que a Bíblia qualifica como "verdadeiramente viúva"? Fazer uma estatística sobre o assunto não requer uma grande pesquisa. Basta que você responda a uma simples questão: "Quando foi que você fez algo, ou lhe foi pedido que fizesse algo em favor de uma criança? Compare, no mesmo período, quantas vezes aconteceu o mesmo em relação a uma viúva...".
Ouvi, certa vez, uma irmã querida, que preenchia todos os requisitos da teologia paulina quanto às viúvas. Serviu a Deus por mais de quarenta anos, quer como esposa de pastor ou através de outros ministérios para-eclesiásticos. Falava-me dos seus sonhos e das suas dificuldades. Ao deixar o meu gabinete, pensei: "O que estamos fazendo para socorrer pessoas como esta irmã?".
E as viúvas?
Pensamento: Quando ajudamos aos outros, abençoamos e somos abençoados. É um grande privilégio servir.
Oração: Senhor, que eu possa viver para servir aonde estiver e abençoe os órfãos e as viúvas que vou ajudar. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Mateus 20:1-16 – Números 13-14 – Eclesiastes 9:1-12
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Salmos 106:1

 

DGMC2

O QUE VEMOS QUANDO OLHAMOS AO NOSSO REDOR?


"Quando essas coisas começarem a acontecer, fiquem firmes, levantem a cabeça, pois logo vocês serão salvos" (Lc 21:28).
Alguém disse que, pela maneira como olhamos o mundo, determinamos as nossas decisões e estabelecemos as nossas prioridades.
O que vemos quando olhamos à nossa volta?
Se você quiser ver PROBLEMAS, certamente os verá. Eles estão por toda parte. Na intimidade da família, nos governantes, nas escolas dos nossos filhos ou até mesmo dentro das nossas igrejas.
Se você quiser ver PESSIMISMO, ele estará por toda parte que os seus olhos passarem. "Isso não dá! Falta-nos dinheiro! Essa cidade é difícil demais! Não tenho ajuda suficiente!" – e milhares de expressões semelhantes a estas que você mesmo já usou. Amigo, feche esta janela!
Mas, se você quiser ver POSSIBILIDADES, elas também estão por toda parte. Jesus disse: "Levantai os vossos olhos e vede".
1. Levante a cabeça. "Levantai os vossos olhos...". Para ver, você precisa erguer a cabeça. Não veja o mundo com uma lupa, nem com um telescópio, mas com um radar imenso que possa captar o que ninguém mais está vendo. Levante a cabeça. Vença o desânimo. Apague de seu vocabulário a palavra "impossível". Creia que Deus está vivo e tem o controle de todas as coisas.
2. Veja o que os outros não estão vendo. Jesus disse: "Levantai os vossos olhos e vede...". Alguns não vêem o óbvio. Algumas coisas são tão claras como o sol do meio-dia. Dois vendedores de calçados foram enviados à África. Ao chegarem, viram milhares de pessoas descalças. Um deles enviou um fax à fábrica dizendo: "Não há possibilidades. Ninguém usa calçados". O outro enviou um fax com urgência. Dizia: "Favor enviar todo o estoque que houver na fábrica. Ninguém aqui possui sapatos".
3. Veja com os olhos de Deus. Jesus viu uma multidão de ovelhas sem pastor. Veja o Brasil: mais de cem milhões de pessoas a serem alcançadas. Há milhares de igrejas a serem construídas, centenas de sonhos a serem transformados em realidade. Levante os olhos!
Pensamento: Levante os olhos! Deus quer usar você.
Oração: Pai, abre os meus olhos! Quero ser útil para o Teu reino. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Mateus 19:1-15 – Números 9-12 – Eclesiastes 7
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

LUCAS: MÉDICO E ESCRITOR


"Prezado Teófilo, no primeiro livro que escrevi, contei tudo o que Jesus fez e ensinou, desde o começo do seu trabalho até o dia em que ele foi levado par ao céu. Antes de ir para o céu, ele deu ordens, pelo poder do Espírito Santo, aos homens que ele havia escolhido como apóstolos. Depois da sua morte, Jesus apareceu a eles de muitas maneiras, durante quarenta dias, provando, sem deixar dúvida nenhuma, que estava vivo" (At 1:1-3).
Os livros de Atos e Lucas são irmãos gêmeos – foram escritos pelo mesmo autor, Lucas. Paulo o chamava de médico amado. A partir da época em que Paulo escreve aos coríntios sobre o espinho na carne, Lucas começa a acompanhá-lo, por ser servo de Deus e médico também.
Um médico pára o seu trabalho de médico para fazer pesquisa sobre a vida de Jesus – onde nasceu, como ministrou. Por esse motivo, os livros escritos por Lucas aparecem com um pouco mais de cultura. Lucas inicia seus dois livros referindo-se a Teófilo. Ele era uma pessoa boa – seu nome significa amigo de Deus – e, provavelmente deveria ser importante e influente.
O livro de Atos fala da história da Igreja. Logo no primeiro capítulo, lança doutrinas fundamentais que não podemos deixar de anunciar: a volta de Cristo, a doutrina da santificação e o enchimento do Espírito Santo. Lucas escreve uma espécie de relatório acerca do que Jesus começou a fazer e ensinar. Lucas enfatiza que, conforme Jesus havia dito, os discípulos deveriam esperar a promessa do Pai: "Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai lhes dê o que prometeu, conforme eu disse a vocês. Pois, de fato, João batizou com água, mas daqui a poucos dias vocês serão batizados com o Espírito Santo" (At 1:4-5).
Esta é a plenitude da benção: ficarmos cheios do Espírito. É esta a expressão que Paulo usa.
Pensamento: Temos o privilegio de sermos chamados por Deus de amigos.
Oração: Obrigado Senhor, por chamar-me de amigo! Sei que tens feito de tudo para minha vida desde ainda substância informe. Quero sempre viver de tal forma que possa refletir Tua imagem neste mundo perdido. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Mateus 18:18-35 – Números 7-8 – Eclesiastes 6
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

5º PACRENTE



quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A SANTIDADE É NOSSA HERANÇA


"Procurem ter paz com todos e se esforcem para viver uma vida completamente dedicada ao Senhor, pois sem isso ninguém o verá" (Hb 12:14).
Os dicionários definem herança como "legado, aquilo que se transmite com o sangue".
Quando penso na herança que possuímos como nazarenos, creio verdadeiramente que a santidade cristã é o nosso maior legado. O autor de Hebreus declara que Jesus Cristo, para santificar o Seu povo, derramou o Seu sangue fora da porta . O sangue de Jesus é a base segura desta experiência, pois João declara que "o sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo pecado" (1 Jo 1:7).
Nossa herança não foi um legado de Wesley, nem de Armínio, muito menos de P. F. Breese, mas do próprio Deus, que declara enfaticamente: "Sêde santos porque Eu, o Senhor, Sou santo" (Lv 19:2). Não se trata de rejeitar ou desprezar coisa alguma do que recebemos de Deus através daqueles homens, mas de reconhecer que foram instrumentos para nos entregar uma herança.
A mensagem na nossa igreja não está baseada nos escritos de Chapman, mas na própria declaração do Livro de Deus, que expressa claramente a vontade do Senhor: "Esta é a vontade de Deus, a vossa santificação" (1 Ts 4:3). Que todos os estudiosos possam nos abençoar com as suas contribuições teológicas que reforcem a nossa herança – mas que jamais substituam tal herança por escritos de homens e sabedoria terrena.
A segurança da mensagem não está alicerçada na lógica da Teologia, nem mesmo na clareza dos fatos, mas na experiência pessoal daqueles que buscaram a presença santificadora do Espírito Santo, e cheios dessa graça, podem testificar: "Oh, jamais esquecerei quando o Espírito veio e Deus me santificou".
Esta é a nossa herança! Pregar um Evangelho completo. Declarar que o Senhor Jesus perdoa os nossos pecados e nos purifica de toda a injustiça. Podemos ser salvos do poder do pecado e batizados com o Espírito Santo para uma vida de poder e pureza.
Jesus orou: "Pai, santifica-os na verdade" (Jo 17:17).
Pensamento: "Sem santidade ninguém verá o Senhor": Essa é a maior herança do povo de Deus.
Oração: Espírito Santo me encha, e que eu possa viver na Tua presença em santidade e temor. Em Teu nome. Amém.
Leitura: Mateus 18:1-17 – Números 5-6 – Eclesiastes 5
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

DOUTRINA, ESPÍRITO E DISCIPLINA


"Cuide de você mesmo e tenha cuidado com o que ensina. Continue fazendo isso, pois assim você salvará tanto você mesmo como os que o escutam" (1 Tm 4:16).
Ao despedir-se da sua função de líder mundial, o Dr. William Greathouse – um profundo conhecedor da Bíblia e honrado líder da nossa igreja – fez algumas afirmações que quero transcrever:
1. "A minha maior preocupação com o futuro da nossa igreja não é que ela venha a desaparecer como denominação, mas sim como uma igreja sem poder. Precisamos manter a DOUTRINA, o ESPÍRITO e a DISCIPLINA que nos animou no princípio. Preservemos nossa herança dada por Deus".
2. Outra preocupação é que a igreja sucumba ao institucionalismo. Nossa igreja começou como um movimento de santidade. Não pode substituir seu alvo primeiro por nenhuma outra coisa. Uma instituição esforça-se para alcançar alvos; um movimento tem visão".
Tomo essas frases soltas, deste querido irmão que tem servido a Deus e à Sua causa com dedicação, e as faço minhas. Todos nós, na presente geração, temos a responsabilidade de empunhar as verdades que outrora fundamentaram as raízes da nossa fé. Desprezar tais verdades não é somente desonrar aqueles que nos precederam, mas rejeitar princípios e valores que já se mostraram eficazes em edificar uma Igreja forte, sadia, abençoada. Desprezar a doutrina, o espírito e a disciplina que nos trouxeram até aqui é fazer descarrilar o vagão que transporta a nossa melhor herança pelos trilhos do futuro!
Precisamos conservar o que o Senhor tem colocado em nossas mãos:
– uma doutrina bíblica;
– um espírito dedicado e santificado;
– uma disciplina firme e zelosa pela e para a causa do Senhor.
Pensamento: Desprezar a doutrina é perder a essência.
Oração: Senhor, ajuda-me a entender de forma clara que a essência da Tua Palavra é a máxima para minha vida. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Mateus 17 – Números 3-4 – Eclesiastes 3:16–4:16
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

ÂNIMO ABATIDO? TAMBÉM EU!


"A minha graça é tudo o que você precisa, pois o meu poder é mais forte quando você está fraco" (2 Co 12:9).
Não são poucas as vezes em que nos sentimos desanimados. Os motivos são os mais variados possíveis. Em algumas passagens da história do povo de Deus, encontramos os chamados gigantes da fé, passando por períodos que, julgávamos, só aconteceriam com pobres mortais como nós.
Moisés, que abriu o Mar Vermelho, que destruiu o exército de Faraó, que transcreveu a Lei, que recebeu o adjetivo de Libertador de Israel, teve, também, seu dia de desânimo – ao ponto de pedir que seu nome fosse tirado do Livro da Vida. Elias, o profeta dos milagres, o criador da Dinastia Profética (teve sua escola de profetas), teve sua depressão espiritual e, depois da crise de solidão, pediu a morte para si. Paulo, o herói do Novo Testamento, precisava trabalhar com seu espinho na carne, com ajuda de uma forte autodisciplina, esbofeteando seu próprio corpo para não ser desqualificado.
A graça de Deus não nos isenta de fases de desânimo e abatimento. Os motivos podem ser os mais diversos. Da crise familiar à financeira; dos questionamentos espirituais à guerra existencial; das crises de idades ao confronto com a nossa geração; da abundância gerada pela economia disciplinada ao golpe de ter bem menos, pela ação daqueles que regem o poder. Todas estas e muitas outras coisas produzem em nós o efeito e a causa do desânimo.
O que fazer? Creio que o remédio de Deus é encontrado no contexto das Escrituras. Deus nunca nos prometeu uma vida sem problemas, mas, isto sim, a graça suficiente para enfrentá-los. "A minha graça te basta" ainda é a saída de Deus para ajudar-nos em nossas desgraças.
Nesses dias de desânimo, levante a sua cabeça e ponha-se na dependência de Deus. Ele ainda afirma: "De maneira nenhuma te deixarei, de forma alguma te abandonarei".
Pensamento: Fora da graça de Deus estamos à mercê de nós mesmos.
Oração: Senhor, creio que a Tua Palavra é a base para minha crença. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Mateus 16 – Números 1-2 – Eclesiastes 3:1-15
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.